A criatividade não é um talento inato. É um esforço da alma para enxergar realidades que não se veem. Não nasci criativa. Nasci simplesmente. E a partir daí adquiri um grande potencial de ir além do óbvio, de me antecipar às necessidades e desejos ainda não existentes.
Eu crio porque o meu infinito particular, na ânsia por saciedade, transforma o que já existe em arte. Sempre busco mais, sempre invento mais. Mais uma música, mais um poema, mais uma estratégia de marketing, uma nova maneira de preparar meu prato preferido, mais uma forma de transbordar valores e transformar o mundo das pessoas. Todos são assim. Todos nós buscamos satisfação e para isso criamos ou transformamos. Portanto todas as pessoas são capazes de ser criativas.
A criação é um conjunto que circunstâncias, valores, relacionamentos e aprendizados que me levam a expressar o que sou e o que quero. E o medo faz parte desse processo. Mas mesmo com medo vou assim mesmo.
Vou descobrir o que ainda não foi descoberto.
E se eu não encontrar?
Eu crio.
                                                                                                                                   Por Gabriela Tomaz.

Comentários

comentários