A Hipertensão Arterial Sistêmica é a mais frequente das doenças cardiovasculares.

É também o principal fator de risco para as complicações mais comuns como acidente vascular cerebral (Derrame Cerebral) e infarto agudo do miocárdio, além da doença renal crônica terminal. No Brasil são cerca de 17 milhões de portadores de hipertensão arterial, 35% da população de 40 anos e mais.

E esse número é crescente; seu aparecimento está cada vez mais precoce e estima-se que cerca de 4% das crianças e adolescentes também sejam portadoras. A carga de doenças representada pela morbimortalidade devida à doença é muito alta e por tudo isso a Hipertensão Arterial é um problema grave de saúde pública no Brasil e no mundo.

Por ser na maior parte do seu curso assintomática, seu diagnóstico e tratamento é frequentemente negligenciado, somando-se a isso a baixa adesão, por parte do paciente, ao tratamento prescrito. Nos poucos casos sintomáticos observamos: cefaleia occipital (dor tipo peso na região da nuca), tontura e fraqueza.

Modificações de estilo de vida são de fundamental importância no processo terapêutico e na prevenção da hipertensão. Alimentação adequada, sobretudo quanto ao consumo de sal, controle do peso, prática de atividade física, tabagismo e uso excessivo de álcool são fatores de risco que devem ser adequadamente abordados e controlados, sem o que, mesmo doses progressivas de medicamentos não resultarão alcançar os níveis recomendados de pressão arterial.

Quando a Hipertensão Arterial Sistêmica é manifestada antes dos trinta anos de idade é importante realizar investigação através de exames em causas secundárias, tais como: Estenose de artéria renal ou Tumor em glândula supra renal.

O tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica deverá englobar mudanças no estilo de vida, tais como:

  1. Realizar atividade física pelo menos três vezes por semana, com duração de uma hora cada dia;
  2. Reeducação alimentar, reduzindo ingestão de gordura e sódio (sal de cozinha);
  3. Interrupção do tabagismo;
  4. Controle do alcoolismo.

O medicamento deverá ser escolhido pelo Médico de forma individualizada. Para cada perfil de paciente, um perfil de medicamento específico. Não existe receita pronta para se tratar Hipertensão Arterial Sistêmica. Atualmente o medicamento mais utilizado pertence à classe dos BRA (Losartana); o que não indica que este será a melhor opção para todos os pacientes hipertensos.

 

Dr. Danilo Barbosa Rezende
Clínico Geral
Médico do Trabalho

Atendimento:
Clínica CUIDAR – TRÊS MARIAS/MG 3754-1609

Comentários

comentários