Prefeito Vicente Resende não cumpre acordo e Hospital pode sofrer intervenção judicial, população deve abraçar medida como alternativa viável para o HSF voltar a funcionar corretamente.

O Ministério Público de Minas Gerais através do Promotor de Justiça Dr. José Antônio, deve pedir, em breve, a intervenção na gestão do Hospital São Francisco, como forma de solucionar os problemas financeiros da Fundação de Saúde, ou seja, o sistema judiciário irá contribuir com a gestão do Hospital. Dívida da Prefeitura com a Fundação ultrapassa R$ 1.000.000,00, sem atualização dos valores de dezembro. Faltam somente 25 dias para o final da gestão do atual Prefeito Vicente Resende e dívida provavelmente não será sanada.

Restalta-se, de a acordo com funcionário que preferiu não se identificar, que assinatura do convênio 12/2016, a gestora responsável, retirou do contrato parcelas de aproximadamente R$ 100.000,00, acarretando em déficit a mais que ultrapassam R$ 700.000,00. Dívidas com médicos pode chegar a R$ 800.000,00, fornecedores chegam a aproximadamente R$ 790.000,00 e laboratório R$ 95.000,00.

Atualmente, o HSF através do Sistema Único e Saúde – SUS, funciona somente com dois médicos no pronto atendimento, não há atendimento de especialistas, a farmácia está com pouco medicamento e estão garantindo a internação dos pacientes, os partos estão sendo transferidos para as cidades vizinhas, feitos somente particulares ou com convênio.

Também está em situação precária a cozinha (CND), lavanderia e manutenção, visto que dinheiro vindo do Estado para melhoria do prédio público está sendo usado para pagar médicos. A alegação sobre esta situação, é que funcionários tinham que agir de acordo com os ofícios assinados pela Secretária de Saúde, priorizando pagamentos de médicos ou fornecedores específicos.

A tendência é que haja uma auditoria de qualidade para investigar os últimos anos da movimentação financeira do Hospital.

inelegibilidade do Prefeito

No dia 31 de outubro, a Câmara rejeitou as contas do Ordenador de despesas do Município de 2014 por imbropidade administrativa, com base também nas triangulações salariais na saúde em 2015. A triangulação seguiu em 2016, porém os repasses não foram suficientes para sanar a dívida com os médicos que antes (2014) recebiam pela Prefeitura. Segundo funcionário, “o hospital foi entregue para Cristo neste ano de 2016 na gestão do Prefeito Vicente”, disse.

 

Sucateamento da Frota

A situação da saúde trimariense se complica ainda mais, quando olha-se para o sucatemento da frota, visto que há somente duas ambúlancias em perfeito estado de funcionamento, uma delas é uma UTI móvel, outras duas ambulâncias, estas da Secretaria de Saúde, funcionam de forma precária, há outras duas paradas na garagem da Prefeitura e outra no distrito de Andrequicé que não pode viajar para outras cidades devido o mal estado de conservação, há também mais 8 carros da saúde em situação de neglicência.

 

O Dr. José Antônio, Promotor de Justiça, poderá dar uma coletiva de impresa a qualquer momento.

Acompanhe mais às 10h na 87,9 FM e às 10h30 no Programa Barreiro Grande na 104,7 FM.

 

A equipe da Barreiro Grande entrou em contato com a Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal de Três Marias e aguarda pronunciamento oficial.

 

Publicidade:

partiu-ferias-outdoor

Comentários

comentários